Google+ Badge

domingo, 8 de dezembro de 2013

Como Ser

BBC


Onde estou

como liderança de
mim mesmo

afasto o medo

de não destinar
a própria vida
ao próximo

contento-me
não em estar agindo
no presente

mas agindo
num futuro próximo

diletante

errante

porque erro

no momento mesmo
em que traço linhas

Não afirmo que sou

[afirmo apenas]




O QUE NÃO SOU


NÃO SOU O UNIVERSO

NÃO SOU DEUS


E neste presente distante te
afirmo
o que sinto

afirmo de todas

 AS MANEIRAS

vindo próximo
o que existe em mim

BESTEIRAS!



além de mim

assim


SOU O QUE SOU

SEM PODER
VER
NUDEZ
  DE FICAR 
ASSIM

pronto para o próximo 

adeus


QUE PERMITE 
QUE O 
VENTO
MUDO
DILUA
TUDO



do firmamento
ao extinguir

QUE AGUENTA

ESTE QUE
 TENTA

ME SEDUZIR

A LONGO 
PRAZO


Como ser
quem sou

apenas estou

ao léu

Não berrante

dos que falam a línguas
às mínguas



Sacia
extingua

a mirra

do cansado
astro

sábado, 7 de dezembro de 2013

O Caminho das Pedras Cap 3 (3)



http://www.metaconhecimento.com/2013/05/crise-na-saude-mental-e-gera.html






Pelas apostilas

Ele era mesmo petulante, 
mas Janaína estava preparada para isto.

-Sim, mas você colocou tudo como um quebra cabeça.
O que é afinal um
"Ensaio fotográfico de uma atividade mental"??

-É este o título mas é uma quebra cabeça.
Se eu lhe me mostrasse o sentido não teria graça.

- Prá você né?

-Vai, vou te ajudar,
te dar uma dica.

Quando você fotografa você capta uma imagem e a congela.
Esta imagem está enquadrada de uma forma especial, e é eterna enquanto dura.

Nas nuvens que vemos agora no céu
e nas nuvens da net: é eterna.

A atividade mental é assim, mas como um ensaio.
Além de você produzir várias imagens do mesmo tema você cria
 a linguagem da imagem,
e retira as fotos que não gostou mas clicou,
tirou.

Na atividade mental, sobre cada tema, revelação ou símbolo temos o mesmo processo,
porém o arquivo guardado das idéias descartadas  é imenso,
 e muitas delas são descartadas sem notarmos seu poder de criação, de uso,
pela razão de trabalharmos com enquadramentos já estabelecidos.
Quer saber?-e tirou um cigarro da carteira- se estudarmos com paciência este arquivo morto, naturalmente as idéias boas descartadas se sobressaem.
Isso se tivermos um novo ângulo de visão, de foco para elas.
E cada vez subtraímos mais desses ensaios, nos atendo à uma ou nenhuma foto,
até uma ausência melancólica de prazer, sempre vendo as mesmas fotos, nunca mudando.

Sua voz se alterou.sus olhos não olhavam nada ao certo, pareciam longe e desvairados.

Aquilo deixou Janaína desconcertada. para onde iria tudo aquilo? 

Ela detestava cigarro, mas o cheiro que vinha dele era outro.
Era como uma fumaça rodopiante da Lagarta de Alice
Como se desenrolar-se um filme em sua mente, entrando em transe.

Um filme. Fotos, imagens, películas, pele. 
Tudo como o recordar da análise, palavras soltas que se uniam ao redor de um véu.

Sentia que entendia tudo, mesmo não entendendo.

Era como se a fumaça desenrola-se o filme em sua mente, e era diferente das aulas.
Ele falava como um homem viril.
Como um arrepio aquilo se tornou realidade: era ele um homem!

Ele pairando em uma nuvem cósmica.
 Spock,
 entendendo tudo que dizia sem conectar o que dizia à realidade,
 porque não havia realidade para ele ou ela, embora tudo fosse significativo.

Estava tonta e teve medo dele.
para onde iria tudo aquilo?

-Acho que fumei um depois disto tudo-disse ela, sem perceber o que dizia.

-Eu não fumo baseados. Não uso drogas, só cigarros e café disse ele.


-Desculpe-me se te ofendi. O assunto é importante para mim,
 e você precisa saber que uso.

-Eu sei.
Faz parte do seu ser saber esta verdade em sua vida,
Quando tento colocar este incômodo em minha mente,
sobre a tua matéria corpórea
tudo parece em vão.
Você pode entender, entende, mas não fotografa.

Guarda a lembrança vaga e ela se afasta como esta fumaça do teu cérebro
que não capta o que quero revelar

Veja Jana, estou aqui, na atividade mental,
neste exato momento.
E você está aí, neste exato momento.
nesta exata cena.
e alguém olha a si própria
e não entende o enredo

Na atividade mental
acontece o mesmo a esmo,
 não enquadramos em cinemascope, não vemos tudo
vemos partes
e não vemos o fim

Mas o fim está aqui, entre eu e você.

No que você quer e no que eu quero.



-Isto é uma cantada?

Apagou o cigarro

Olhou direto para ela

-Sim.


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Fumante



O que quer

que o amanhã

nos

traga

Deus

estará

presente

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Identidade

E Lima





O Ser

Indivíduo
disputa

o dilúvio
do ser
dei
vidido

Entre o si
e não Si

de ser






Alguém
como um eu

tenta
tenta

não ser Eu





 Amor

Tanta
dor

Flor
que arremessa na dor

o sangue 
de alabastro,
seu ato


Assim como
na Humanidade distante
de um
A
berrante

Alucina tudo
este mundo
perpétuo

Retornando ao
entorno

do ser ao lado

contato
contado

Na fogueira do campo distante

apanhando centeio

Entrem

Homens e Ratos